domingo, 6 de outubro de 2013

Noturna




A noite é entrecortada pelas preces
E ecoa nela um grito transparente
Eu sigo no meu passo, molemente,
Pensando com quem mesmo te pareces.

Não falo com ninguém pra não saber
Que cada casa olha triste a rua.
Um galo canta, a noite já recua
- O dia se prepara pra nascer.

Nos pontos se aglomeram os ofícios
Do velho labutar madrugador
De lutas, de suor, de sacrifícios

E eu transponho tonto o portão
Jogando sobre a cama a minha dor
Rezando pra sonhar um sonho bom

Nenhum comentário:

Postar um comentário